terça-feira, 14 de outubro de 2008

Resta apenas um desafio: destacá-las ao máximo sem sobrecarregar o visual do ambiente


A dona-de-casa Heliete Woznarowycz possui miniaturas de bonecos em um móvel na sala; no lavabo, ela pendurou vários miniespelhos.

Se no Egito antigo o destino das miniaturas era serem sepultadas com os mortos, hoje elas ressurgem dispostas a brigar por um lugar de destaque na decoração.

Já começam ganhando as vitrinas. A loja Tok & Stok, inspirada na coleção do museu alemão de design Vitra, produziu uma coleção de minirréplicas de seus móveis e de algumas peças clássicas.

Até as joalherias resolveram investir no filão. A H.Stern já transformou jóias em diminutos objetos para compor ambientes em suas unidades, e a Vivara já produzu uma linha com dez miniaturas em madeira e prata, com design italiano.

As pequenas notáveis invadiram também a Casa Cor 2004. No banheiro público criado pela decoradora Bianka Mugnatto, 41, tomam a forma de mini mulheres de diferentes personalidades que fazem fila para esperar a hora de usar o vaso sanitário.

Elas também são valorizadas dentro de casa. "A miniatura revela uma recordação, algo que é da própria pessoa", comenta o arquiteto João Armentano, 43.

Com esse espírito, a empresária Marta Adriana Poci Cabral, 38, mandou fazer uma pequena réplica de um criado-mudo porque gostava do original, do qual já se desfez. "Mantive a miniatura, que é uma das minhas favoritas."

Mugnatto conta que um cliente fez uma cópia do avião que costuma usar para visitar fazendas e a colocou em seu escritório.

Aos poucos, as pecinhas vão deixando de morar exclusivamente em mesas de centro e cristaleiras. Para se fazerem notar, abrigam-se em quadros, caixas de acrílico, redomas e até casas de boneca.

Resta apenas um desafio: destacá-las ao máximo sem sobrecarregar o visual do ambiente. Nesse quesito, os profissionais pedem sobriedade na disposição dos itens e na escolha dos móveis.

A arquiteta Brunete Fraccaroli, 41, colecionadora de minicadeiras do museu Vitra, recomenda o uso de um móvel simples, que valorize a coleção sem concorrer com ela ou sobrecarregá- la. "O importante é dispor as peças de maneira harmônica e deixar o espaço o mais simples possível", ensina a arquiteta, que sugere uma estante de vidro sem reflexo para acomodar coleções.
Por: Dayanne Mikevis para a Folha de São Paulo

Um comentário:

Janoca disse...

Oi Edie,
Mais uma vez, parabéns pelo blog. Lindo, interessante e elegante.
Beijão,
Jane